quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

Speculative electricity prices in the EU

 Summary

1 - Electricity prices in the EU - 2016 (2nd semester) and 2021 (1st semester)

2 – The tax puncture widens the inequalities inserted in the prices

3 - Remuneration and electricity prices

 
vvvvvvvvvv /////\\\\\vvvvvvvvvv

Eurostat publishes, for EU countries, data on electricity consumption costs, using as a standard consumption in the range 2500/5000 kWh per year. Generally, a comparison between the situations for the EU as a whole in the second half of 2016 and in the first half of 2021. In this context, there is an average increase of of €5.3 during that period, per 1000kwh; that is, the change from €127.6 in 2016 to €132.9 in 2021. Below we will address not only the variations in the period referred to, but also the changes introduced by fees and taxes in the price levels of electricity available, in each country of the EU. And, finally, to observe the result between the evolution of the price of energy and the average salary. 

1 - Electricity prices in the EU - 2016 (2nd semester) and 2021 (1st semester)

In the following chart, the national values for the consumption of 1000 kWh can be observed, without considering the taxes and fees that the States, in general, heavily impose and perpetuate, since energy is something irreplaceable to whose consumption, no one can escape[1] The domestic acquisition of solar energy capture panels, for example - not being viable the taxation of this capture - does not escape the imposition of a VAT rate of 23% by the Portuguese government gangs, the components of the PS/PSD mafia[2].

             Title translation – Price for 1000 kWh excluding taxes and fees

 Following are some conclusions drawn from reading the above graph.

·       Ireland has the highest energy prices (less taxes and fees) and one of the biggest increases in the period. In the immediate place, Belgium and Spain follow; in the latter case, only in 2016;

·       In 2016, Spain had the third-highest price in the Union and recently (2019) it reduced the special tax on electricity from 5.44% to 0.5%; it also suspended the tax on production, which was 7%; and reduced VAT for small users from 21 to 10%. Thus, the price of energy, which was between €170/195 per 1000kwh in 2016/18, moved to inclusion in a range of €118/135 later on.

·       On the other hand, in Portugal, the PS government maintains the maximum VAT rate (23%) decreed by the sister party, the PSD, by order of the troika, about ten years ago; in this context, excluding taxes and fees, values of €100/121 are attributed to energy in the period under analysis for the five-year period observed.

·       Among the richest countries of the Union are most of the highest values (above €125) and increasing during the period – Germany, Ireland, Italy, Luxembourg, Netherlands, Austria; in addition to the Czech Republic, Greece, and France, they surpassed this mark only in 2021.

·       The cases of price decrease, in 2021 and compared to 2016, are situated in; Greece, Spain, Croatia, Cyprus, Latvia, Hungary, Malta, Poland, Portugal, Slovakia, and Sweden. Excluding the case of Spain, already mentioned, these are essentially Eastern European countries, in addition to Portugal and Sweden.

·       With the lowest values ​​for the price of 1000 kWh and, below €100 are Bulgaria (2016) and Hungary (2021); and, with approximate indicators, are the cases of Denmark, Estonia, Lithuania, Poland, and Romania (2016).

Let us then observe the prices for 1000 kWh, in 2016 and 2021, but now, considering the effects of the intervention of state leeches and, more specifically, of their parasitic political classes that find, in this essential good – electric energy – an instrument of suction of proceeds from the crowd; without forgetting the financial support and special prerogatives that States grant to operators in the energy sector.

 
Title translation – Price for 1000 kWh excluding taxes and fees

It is easy to see that the highest prices occur particularly in the richest countries, almost all of which exceed €150 per 1000 kWh; and conversely, where income levels are lower, energy prices are also lower. There is, however, one notable exception, that of a country in southwestern Europe called Portugal, where energy prices exceed those of countries as rich as the Netherlands, Luxembourg, France, Finland, and, Sweden; compared to other lower income countries, the price of electricity in Portugal is higher by around €100/150 per 1000 kWh[3].

 2 – The tax puncture widens the inequalities inserted in the prices

Let us take a closer look at the base prices of energy, which are much more disparate when they incorporate the high charges with fees and taxes applied by States and their respective political classes; generally raising the price of energy to be paid by peoples, as can be seen in the following charts, for 2016 and 2021.

In 2016, it is quite clear that electricity prices in Denmark, Germany and, Belgium are the most expensive in the EU – €308, €298 and €275 respectively; the first two countries are the only ones that incorporate fees and taxes as the dominant shares in the total electricity price; a reality that is also evident in 2021. In addition to the two countries mentioned, it should be noted that Portugal appears as the country with the highest share of taxes and fees in the price of energy, in 2016 (47.3%) as in 2021 (45.9%); surpassed by a small margin by Spain (41.5%) in the current year.

Also in 2016, the price of energy appears to be the lowest in Bulgaria (€93.8), followed by Lithuania, Hungary, and Romania. As for the relevance of fees and taxes, their absolute value is particularly low in the Eastern countries, with emphasis on Bulgaria and Hungary; in addition to the case of Malta where the share of fees and taxes is only €6.1, for an overall price of €127.4. 

In the first half of 2021, the highest electricity prices belong to the same countries referenced for 2016; but this time with the highest value in Germany - €319, followed by Denmark €290 and Belgium with €270. The first two present the only situations in which the share of taxes and fees exceeds the level of energy production, of itself. As for the greater weight of the tax burden and similar in the overall value, Denmark and Germany stand out, with 64% and 51%, respectively, followed by Portugal (45.9%) and Spain (41.5%).


Comparing the situation in 2021 with that observed five years earlier shows different realities. In the case of the base value of production, without considering taxes and fees, are recorded the following:

·       11 reductions in that base value, highlighting: Spain (-43.8%) and, drops just below 19%, (Sweden -19.9%) and Slovakia (-19.2%)…

·       and 16 additions to the base value, where the following stand out: Romania 22.2%, Lithuania 18.5%, Ireland 19.1%, Germany and Finland 18%, Austria 17.2%…

In the chapter on changes in taxes and fees included in the fine prices of energy and, decided by the state apparatus, it is worth noting:

·       10 countries with reductions in the weight of that set of elements that burden the price of electricity, with the most relevant cases being Spain 47.7%, Cyprus 36.4%, Poland 32.8% and Slovakia 32.3%.

·       17 countries with increases in the tax burden or rates, the most relevant being – Spain 47.7%, Cyprus 36.4%, Poland 32.8% and Slovakia 32.3%.

·       10 tax cuts, the largest being, Netherlands 47.3%, Denmark 27.6%, Latvia 17.1%, Greece 16.2% and Portugal 12.9%.

In summary, the arithmetic means,

·       For energy, including taxes and fees, the global averages are €176.5 and €183.5, respectively for 2016 and 2021

·         Energy, excluding taxes and fees that are levied on it, show averages, in 2016 and 2021, of €119.3 and €122.6

From this it can be deduced that there is a value of around €60 for every 1000 kWh subtracted from the populations by state bureaucracies and their adjacent political classes.

 3 - Remunerations and electricity prices

The following graph shows the comparison for a very approximate time-lapse (2016/1st half/2021) between electricity prices and 2016/2020 and average wages in EU countries.

The graph shows the countries where the wage evolution had a higher growth rate than electricity prices (16) and the remaining countries (11), where electricity prices had a higher growth rate than average wages. However, it is important to consider that the percentage changes in energy prices may be close to those registered for remuneration, without it being possible to conclude that, in absolute values, they correspond to similar realities. For example, in the case of Germany, energy prices between the two years considered were €298 and €319 respectively, per 1000 kWh (+7.2%) while average earnings, in the same period, increased by 6.3% (€2387).

The situations in which the rate of increase in the price of energy exceeds that observed for remunerations are 8 countries; among which only two – Czech Republic and Cyprus – are not among the richest. The 14 countries where it was preferred not to burden wages with proportionally higher increases for energy are essentially those that the poorest, even if accompanied by others, much richer - Belgium, Denmark, the Netherlands, and Sweden. Between the two positions – Slovenia, Spain, Italy, and Poland. 


[1] Except for those who live in marginal neighbourhoods, especially in the so-called Third World, where clandestine pulls are common.

[2] During the troika monitoring of governance in Portugal in 2014, VAT on electricity increased from 6% to 23%. Despite the usual governmental praise about the strength of the Portuguese economy, seven years later, the tax continues to be applied at that maximum rate.  

[3] Accused of crimes within the scope of EDP, the main electricity company, are the company's former directors – António Mexia, Manso Neto and a former minister of the Socialist  Party area, Manuel Pinho.

 This and other texts at:

 ​http://grazia-tanta.blogspot.com/            

 http://www.slideshare.net/durgarrai/documents

 https://en.scribd.com/uploads                   


 

domingo, 9 de janeiro de 2022

Eleições em Portugal - O assalto à marmita

 

As leis são teias de aranha pelas quais as grandes moscas passam e as pequenas ficam presas”.

         (Honoré de Balzac)


1.     No dia 30 de janeiro do ano corrente, um conjunto de pessoas, na generalidade de fraca valia cultural, técnica ou ética, apresentam-se para um concurso eleitoral;

2.     Esse conjunto é criteriosamente escolhido através da fieira montada pelos chefes das oligarquias partidárias, sabendo-se que aquelas abrangem, em Portugal, apenas uns 200000 indivíduos (2.2% do eleitorado). A progressão no seio daquelas oligarquias é, em regra, o fruto da habilidade de ser obediente e viver na sombra do chefe;

O eleitorado em Portugal compreendia, em 2019, cerca de 9.3 milhões de pessoas das quais só votaram em grupos partidários, em 2019, uns 4.9 milhões. Entretanto, a CNE aponta para 10821244 eleitores, embora a população total seja referida como de 10310000 pessoas.

3.     As candidaturas – forçosa e constitucionalmente partidarizadas (CRP n.º2 do artº 10º) - englobam listas de indivíduos, a nível distrital. Quem não tiver o apoio de um partido ou melhor, dos seus capos, nunca poderá concorrer. No entanto, cinicamente, a Constituição no seu artº 2º, informa que a República “é um Estado de direito democrático, baseado na soberania popular”.

4.     Foi definido o nível distrital para as eleições para a AR. Logo aí se evidencia uma incoerência pois os distritos deixaram de existir enquanto circunscrições territoriais e administrativas, desde 2013 e, já então, estavam em definhamento profundo. O recurso a estruturas administrativas inexistentes constitui um artifício para manter intocáveis as estruturas regionais dos partidos e os interesses dos seus caciques.

5.     No referido nº 2 do artº 10º consta que são os “partidos políticos que concorrem” para a expressão da vontade popular, o que é uma evidente e reacionária entorse. Tomando os números acima referidos, quem não pertencer a um partido (97.8% do eleitorado) ou, não seja escolhido por uma estrutura partidária, jamais poderá exercer o direito de representação política. Essa realidade ofende o disposto no nº 1 do artº 12º, onde se diz que “Todos os cidadãos gozam dos direitos e estão sujeitos aos deveres consignados na Constituição”. Trata-se de uma reprodução de uma sociedade de ordens – patrícios e plebeus, nobres e servos da gleba, como na Roma antiga ou na Idade Média, onde uns tinham muitos direitos e poucos deveres e outros poucos direitos e muitos deveres.

A oligárquica Constituição não admite círculos uninominais onde um só deputado, eleito diretamente pela população, seria o seu representante na AR. Só permite a adjudicação da representação política a um grupo e não através de uma escolha individualizada e democrática; essa imposição é como se no supermercado fosse obrigatório comprar um molho de nabos…

6.     Em democracia, a soberania está no povo e é à pluralidade dos elementos do povo que cabe a soberania – e não a órgãos fechados, oligárquicos, volúveis a tráficos de influências e corrupção, como os partidos.

7.     O concurso para o preenchimento dos 230 lugares de deputado entre as várias listas envolve os pesos pesados dos partidos, gente com maior notoriedade. Porém, logo após a eleição, muitos entregam-se também a outras atividades, de maior gabarito político ou profissional ou, são substituídos por indivíduos de menor recorte político, cuja função é a prestação de atenção ao que diz o chefe da claque. Sinteticamente, os eleitores votam num elenco inscrito no boletim de voto; porém, esse elenco é objeto de grandes mudanças e, no final, será constituído por um outro, de figuras partidárias de segunda linha, pardas, de menor quilate cultural e político.

8.     A aceitação da presença na Assembleia da República de deputados fascistas não assumidos é, naturalmente mais uma entorse à Constituição. O nº4 do Artº 46º refere que “não são consentidas … organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista”. Benevolamente, o regime parece só considerar fascista… quem tiver uma suástica tatuada na testa… O partido que tem como figura de proa um ente que designamos por ventureco[1] é uma lusa versão do Vox espanhol, da agremiação francesa que alinha atrás da família LePen ou, do alemão AfD, entre outros artefactos.

9.     Existe um pacto de mediocridade entre a imprensa e a classe politica; uma simbiose. A imprensa pretende encher o espaço mediático com baixos custos, socorrendo-se da presença física e do verbo dos mandarins da classe política; e nesta, claro que ninguém enjeita essas ocasiões para promover a imagem individual e do partido. É o que se chama uma simbiose que tem por objetivo manter a massa manipulada, confusa, bombardeada constantemente com as típicas vacuidades emitidas pela classe política.

10.  Portugal carateriza-se pelo mais baixo nível educacional da Europa Ocidental (e… não só); pelos níveis salariais que empurram os mais jovens e qualificados a emigrar em massa; pela existência de um empresariato[2], com qualificações inferiores às dos assalariados mas que adora altas cilindradas, para espanto dos homens da troika quando chegados a Portugal para monitorar um plano de empobrecimento coletivo e de tomada de empresas por capitais estrangeiros, mormente espanhóis, chineses, franceses…

11.  Neste contexto, é necessário romper com a oligarquia partidária de bem instalados e traficantes de influências, com a constituição de um modelo democrático de representação, com base nestes moldes;

     Todas as pessoas que podem votar, podem também candidatar-se a cargos de representação. Isto é, as candidaturas são individuais e não grupais;

     Os eleitos são indivíduos - posteriormente integrados em órgãos colegiais como a Assembleia da República, o governo, um órgão regional ou autárquico;

     A função de presidente da República é protocolar e assumida pelo presidente da Assembleia da República em exercício;

     Um indivíduo para se candidatar a uma eleição numa circunscrição eleitoral, terá de nela residir há pelo menos dois anos; e não poderá ser eleito para exercer um cargo em mais de dois mandatos seguidos ou, três entre cinco;

     Qualquer eleito pode ser destituído da sua representação, por referendo, entre os eleitores que participaram na sua eleição;

     Os membros do governo são escolhidos entre os deputados na Assembleia da República por votação em plenário (um deputado por cerca de 20/25000 eleitores); e, é nesse âmbito que poderão ser demitidos dessas funções, voltando à situação de deputados. O governo tem um número definido de ministros e secretários de estado e uma assessoria centrada na AR e no recurso aos órgãos estatais;

12.  O desapego da população face ao modelo de representação política tem aumentado através do tempo; e, o número total de abstenções, de votos em branco e nulos em eleições legislativas está em vias de igualar ou mesmo ultrapassar o quantitativo dos votos dirigidos a partidos; e, entre estes, a segmentação entre os votos no partido-estado PS/PSD - a ossatura política do regime - os dirigidos para os partidos mais reacionários e os da esquerda do regime como abaixo se pode observar[3]


Há vários anos que vimos estudando o caráter reacionário e excludente do regime pos-fascista e, particularmente no que concerne ao modelo de representação política. Assim,

Nota 1 - Alguns textos sobre as fragilidades estruturais da formação social portuguesa

Os níveis de educação entre os povos da Europa (1ª parte)

https://grazia-tanta.blogspot.com/2019/08/os-niveis-de-educacao-entre-os-povos-da.html

45 anos após o 25 de abril. Que futuro

https://grazia-tanta.blogspot.com/2019/04/45-anos-apos-o-25-de-abril-que-futuro.html

Eleições num regime pós-fascista e empobrecedor

https://grazia-tanta.blogspot.com/2019/10/eleicoes-num-regime-pos-fascista-e.html

Desigualdades na dinâmica demográfica na Península Ibérica (1990-2019)

https://grazia-tanta.blogspot.com/2020/07/desigualdades-na-dinamica-demografica.html

Nota 2 - Sobre a Constituição

Para um novo paradigma político; a re-criação da democracia (2012)

http://www.slideshare.net/durgarrai/para-um-novo-paradigma-poltico-a-re-criao-da-democracia

Sobre a democracia. A democracia e a sua usurpação (1a parte) (2012)

http://www.slideshare.net/durgarrai/sobre-a-democracia-a-democracia-e-a-sua-usurpao-1a-parte

Para uma Constituição Democrática com caráter de urgência – 2       

 http://grazia-tanta.blogspot.pt/2015/02/para-uma-constituicao-democratica-com.html

Para uma Constituição Democrática com caráter de urgência – 3

http://grazia-tanta.blogspot.pt/2015/03/para-uma-constituicao-democratica-com_22.html

A Constituição (CRP) e alguns dos seus princípios oligárquicos

http://grazia-tanta.blogspot.pt/2015/07/a-constituicao-crp-e-alguns-dos-seus.html

Sobre a Constituição (CRP) – Uma Assembleia da República democrática

http://grazia-tanta.blogspot.pt/2015/08/sobre-constituicao-crp-uma-assembleia.html

Presidente da República – figura dispensável num regime democrático

http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/01/presidente-da-republica-figura.html

Um modelo democrático para os municípios - 4

http://grazia-tanta.blogspot.pt/2015/05/um-modelo-democratico-para-os-municipios.html

Câmaras – Exemplo de gestão neoliberal e anti-social – 1

https://grazia-tanta.blogspot.pt/2017/09/camaras-exemplo-de-gestao-neoliberal-e.html

Câmaras – Exemplo de gestão neoliberal e anti-social – 2

https://grazia-tanta.blogspot.pt/2017/09/camaras-exemplo-de-gestao-neoliberal-e_26.html

Este e outros textos em:

http://grazia-tanta.blogspot.com/                               

https://pt.scribd.com/uploads

http://www.slideshare.net/durgarrai/documents

 


[1] Esses factos não são tomados em consideração. A classe política não cumpre a Constituição

[2] Costuma dizer-se que o primeiro investimento de um empresário português é um automóvel de alta cilindrada; e, que o investimento seguinte é um outro veículo, de cilindrada inferior para utilização da esposa do dito empresário. 

[3] As semelhanças face aos últimos tempos do regime fascista (1969/74) são evidentes. Havia então um bloco central dos alinhados com Marcelo Caetano; uma ala ultra-reacionária que tinha como figuras de proa Tenreiro e Kaúlza: e, uma ala reformista, com Sá Carneiro, Balsemão e Mota Amaral, entre outros, que vieram a constituir o atual PPD/PSD, depois da mudança do regime em 25 de Abril de 1974.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2021

Os especulativos preços da energia elétrica na UE

Sumário

1 - Preços da energia elétrica na UE – 2016 (2º semestre) e 2021 (1º semestre)

2 – A punção fiscal amplia as desigualdades inseridas nos preços

3 - Remunerações e preços da eletricidade

 vvvvvvvvvv /////\\\\\vvvvvvvvvv

 O Eurostat divulga, para os países da UE, dados de custos com o consumo de eletricidade utilizando como padrão um consumo contido no intervalo 2500/5000 kwh por ano. Genericamente, procede-se à comparação entre as situações para o conjunto da UE no segundo semestre de 2016 e, no primeiro semestre de 2021. Nesse contexto, observa-se um aumento médio de 5.3 durante aquele período, por cada 1000kwh; isto é, a passagem de € 127.6 em 2016 para € 132.9 em 2021. Adiante abordaremos, não só as variações no período referido para, como ainda as alterações introduzidas por taxas e impostos nos níveis de preços da energia elétrica disponível, em cada país da UE. E, finalmente, observar o resultado entre a evolução do preço da energia e as remunerações salariais médias.

1 - Preços da energia elétrica na UE – 2016 (2º semestre) e 2021 (1º semestre)

No gráfico que se segue, observam-se os valores nacionais para o consumo de 1000 kwh, sem a consideração dos impostos e taxas que os Estados, na generalidade, pesadamente impõem e eternizam, uma vez que a energia é algo de insubstituível a cujo consumo, ninguém se pode furtar[1]. A aquisição doméstica de painéis de captação de energia solar, por exemplo – não sendo viável a taxação dessa captação - não foge à imposição de uma taxa de IVA de 23% pelos gangs governamentais portugueses, os componentes da mafia PS/PSD[2].

Seguem-se algumas conclusões retiradas da leitura do gráfico acima exposto.

·         A Irlanda apresenta os preços mais elevados da energia (subtraídos impostos e taxas) e um dos maiores aumentos verificados no período. No lugar imediato, segue-se a Bélgica e a Espanha; neste último caso, apenas em 2016;

·         Em 2016, a Espanha apresentava o terceiro preço mais elevado da União e, recentemente (2019) reduziu o imposto especial sobre a eletricidade de 5.44% para 0.5%; suspendeu ainda o imposto sobre a produção que era de 7%; e reduziu o IVA para os pequenos utilizadores de 21 para 10%. Assim, o preço da energia, e que se situava entre 170/195 por 1000kwh em 2016/18, passou para a inclusão num intervalo 118/135, posteriormente.

·         Em contrapartida, em Portugal, o governo PS mantém a taxa máxima de IVA (23%) decretada pelo partido-irmão, o PSD, por encomenda da troika, cerca de dez anos atrás; nesse contexto, excluindo impostos e taxas, atribui-se à energia, no período em análise, valores de € 100/121 para o quinquénio observado.

·         Entre os países mais ricos da União encontra-se a maioria dos valores mais elevados (acima de € 125) e crescentes durante o período – Alemanha, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Áustria; para além da Rep. Checa, da Grécia e da França que ultrapassaram essa marca somente em 2021.

·         Os casos de decrescimento do preço, em 2021 e face a 2016, situam-se em; Grécia, Espanha, Croácia, Chipre, Letónia, Hungria, Malta, Polónia, Portugal, Eslováquia e Suécia. Excluindo o caso de Espanha, já referido, trata-se essencialmente de países do Leste europeu, para além de Portugal e da Suécia.

·         Com os menores valores para o preço de 1000 kwh e, abaixo dos € 100, estão a Bulgária (2016) e a Hungria (2021); e, com indicadores aproximados, situam-se os casos da Dinamarca, da Estónia, da Lituânia, da Polónia e da Roménia (2016).

Observemos, em seguida, os preços para 1000 kwh, em 2016 e 2021 mas, agora, considerando os efeitos da intervenção das sanguessugas estatais e, mais propriamente, das suas parasitárias classes políticas que encontram, neste bem essencial – a energia elétrica – um instrumento de sucção dos rendimentos da multidão; sem esquecer os apoios financeiros e as prerrogativas especiais que os Estados concedem aos operadores do sector energético.

É facilmente observável que os preços mais elevados se observam particularmente nos países mais ricos, quase todos ultrapassando os 150 € por 1000 kwh; e, inversamente, onde os níveis de rendimentos são mais baixos, os preços da energia são também mais baixos. Há, porém, uma notória excepção, a de um país no sudoeste europeu chamado Portugal, onde os preços da energia superam os de países tão ricos como a Holanda, o Luxemburgo, a França, a Finlândia e a Suécia; na comparação com outros países de menores rendimentos, o preço da eletricidade em Portugal é superior em cerca de 100/150 € por cada 1000 kwh[3].

2 – A punção fiscal amplia as desigualdades inseridas nos preços

Observemos adiante os preços-base da energia, muito mais díspares quando incorporam os elevados encargos com taxas e impostos, aplicados pelos Estados e suas respetivas classes políticas, encarecendo, em geral, o preço da energia a pagar pelos povos, como se pode observar nos gráficos seguintes, para 2016 e 2021.

Em 2016 é bem claro que os preços da eletricidade na Dinamarca, na Alemanha e na Bélgica são os mais caros vigentes na UE – € 308, 298 e 275, respetivamente; os dois primeiros países são os únicos que incorporam as taxas e impostos como as parcelas dominantes no total do preço da eletricidade; uma realidade que também se evidencia no ano de 2021. Para além dos dois países referidos, sublinhe-se que Portugal surge como o país com a maior parcela de impostos e taxas no preço da energia, em 2016 (47.3%) como em 2021 (45.9%); ultrapassado numa pequena margem pela Espanha (41.5%), no ano presente.

Ainda em 2016, o preço da energia surge como mais baixo na Bulgária (€ 93.8), seguindo-se-lhe a Lituânia, a Hungria e a Roménia. Quanto à relevância de taxas e impostos, o seu valor absoluto é particularmente baixo nos países do Leste, com relevo para a Bulgária e a Hungria, para além do caso de Malta onde a parcela de taxas e impostos é apenas de € 6.1, para um preço global de € 127.4.

No primeiro semestre de 2021 os mais elevados preços da eletricidade cabem aos mesmos países referenciados para 2016; mas, desta vez, com o valor mais elevado na Alemanha - € 319, seguida pela Dinamarca € 290 e pela Bélgica com € 270. Os dois primeiros apresentam as únicas situações em que a parcela de impostos e taxas supera o nível da produção energética, de per si. Quanto ao maior peso da carga fiscal e equiparados no valor global, salientam-se a Dinamarca e a Alemanha, com 64% e 51%, respetivamente, seguidos de Portugal (45.9%) e Espanha (41.5%).

A comparação da situação em 2021 com a observada cinco anos antes mostra distintas realidades. No caso do valor-base da produção, sem a consideração de impostos e taxas registam-se:

·       11 reduções daquele valor-base, sublinhando-se: Espanha (-43.8%) e, quebras pouco abaixo de 19%, (Suécia -19.9%) e Eslováquia (-19.2%)…

·       e, 16 acrescimos do valor base, onde se destacam: Roménia 22.2%, Lituânia 18.5%%, Irlanda 19.1%, Alemanha e Finlandia 18%, Austria 17.2%…

No capítulo das variações de impostos e taxas incluídas nos preços finas da energia e, decididas pelos aparelhos de estado, há a registar:

·       10 países com reduções do peso daquele conjunto de elementos que oneram o preço da eletricidade, sendo mais relevantes os casos de Espanha 47.7%, Chipre 36.4%, Polónia 32.8% e Eslováquia 32.3%.

·       17 países com acréscimos na carga fiscal ou em taxas, sendo os mais relevantes – Espanha 47.7%, Chipre 36.4%, Polónia 32.8% e Eslováquia 32.3%.

·       10 reduções nos impostos, sendo as mais volumosas, Holanda 47.3%, Dinamarca 27.6%,  Letónia 17.1%, Grécia 16.2% e Portugal 12.9%

Sinteticamente, as médias aritméticas,

·       Para a energia, incluidos impostos e taxas, as médias globais são 176.5 e 183.5, respetivamente para 2016 e 2021

·       A energia, excluindo impostos e taxas que sobre aquela impendem, apresentam médias, em 2016 e 2021, de 119.3 e 122.6

Daqui se deduz que há um valor em torno de € 60 em cada 1000 kwh subtraídos às populações por parte das burocracias estatais e as suas adjacentes classes políticas.

3 - Remunerações e preços da eletricidade

O gráfico seguinte contempla a comparação para um lapso de tempo muito aproximado (2016/1º sem/2021) entre os preços da eletricidade e, 2016/2020 e as remunerações médias nos países da UE.



No gráfico podem observar-se os países onde o indicador da evolução dos salários teve taxa de crescimento superior à dos preços da eletricidade (16) e os restantes (11), onde os preços da eletricidade tiveram uma taxa de crescimento superior às das remunerações médias. Porém, é de considerar que as variações percentuais nos preços da energia podem, apresentar-se próximas das registadas para as remunerações, sem que daí se possa concluir que em valores absolutos, correspondam a realidades próximas. Por exemplo, para o caso da Alemanha os preços da energia entre os dois anos considerados foram € 298 e € 319 respetivamente, por 1000 kwh (+7,2%) enquanto as remunerações médias, no mesmo período, aumentaram 6.3%

(€ 2387).

As situações em que a taxa de aumento do preço da energia supera a verificada para as remunerações restringem-se a 8 países; entre os quais só dois – Rep. Checa e Chipre – não estão entre os mais ricos. Os 14 países onde se preferiu não onerar os salários com aumentos proporcionalmente mais elevados para a energia são essencialmente os que os mais pobres ainda que acompanhados por outros, bem mais ricos (Bélgica, Dinamarca, Países Baixos e Suécia. Há que referir ainda alguns casos de equilíbrio entre as duas posições – Eslovénia, Espanha, Itália e Polónia.

Este e outros textos em:

http://grazia-tanta.blogspot.com/            

http://www.slideshare.net/durgarrai/documents                   

https://pt.scribd.com/uploads

 - - - - -

[1] Excepto quantos moram em bairros marginais, sobretudo no chamado Terceiro Mundo, onde as puxadas clandestinas são correntes

[2] Durante a monitorização pela troika da governação, em Portugal, em 2014, o IVA sobre a eletricidade passou a de 6% para 23%. Apesar das habituais loas governamentais sobre a pujança da economia portuguesa, sete anos depois, o imposto continua ser aplicado com aquela taxa máxima.    

[3] Acusados de crimes no âmbito da EDP, a principal empresa elétrica, estão os antigos administradores da empresa – António Mexia, Manso Neto e um antigo ministro da área PS, um tal Manuel Pinho.